terça-feira, 2 de agosto de 2011

Invenções Curiosas!

                 
"Caneta Mágica"
Chega de comprar canetinhas de várias cores!!


"Olhos Abertos o Tempo Todo"
Muito útil pra usar na escola, no trabalho e perto de uma pessoa que tem voz de canção de ninar.



"Dicionário Prático"
Agora você não precisa se preocupar em aprender o idioma do país quando for viajar. Estas camisas dizem todas as informações básicas que você pode precisar. Para se comunicar é só apontar para os desenhos e depois para o ponto de interrogação!


"Cobre da Chuva"
Agora você pode sair na chuva e voltar sequinho pra casa!


"Iluminando o Caminho"
Com essas mini lanternas nos sapatos, podemos andar no escuro sem  nos preocuparmos em aonde estamos pisando. Muito útil!


"Apoiador de Páginas"
Com esse "apoiador de páginas" de livros, você pode segurar o livro com uma mão, sem problemas de ele ficar fechando, e com a outra pode fazer o que quiser!


"Sofá - Cama Beliche"
Aprenda a economizar espaço com esse "sofá - cama beliche".


"Apoio Para Fotos à Distância"
O fotógrafo agora já está incluído na foto tirada à distância. 


Gostou das invenções? O que você faria com elas? Comente. (:

Alguns Animais Ameaçados de Extinção

Cervo do Pantanal:
   Esse animal vive perto da água, deslocando-se bem sobre terrenos pantanosos devido à estrutura de seus cascos.
   É o maior veado da América do Sul. Vive nas regiões pantanosas e ao longo das bordas das florestas do Brasil, Uruguai, Paraguai e Guianas.
   Causas da ameaça de extinção: destruição de habitat, caça, área de distribuição restrita, populações pequenas, em declínio e isoladas. Embora sua carne não sirva para comer, o Cervo do Pantanal é caçado por causa do seu couro e da galhada.


Muriqui:
   Maior primata das Américas, endêmico da Mata Atlântica. A cabeça é redonda e o corpo pesado, os membros são longos e esbeltos; o rabo é mais longo do que o corpo.
   a ameaça de extinção ocorre pela destruição do habitat natural. Ele só é encontrado nos remanescentes da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil.


Cachorro vinagre:
    Vive em cerrados e savanas.
   Eles são os menores cães silvestres do Brasil, e, embora sejam canídeos, eles possuem um rabo muito curto e o menor número de dentes da família canidae, apenas 38.
   É a única espécie viva em seu gênero (Speothos). Atualmente a população é calculada em menos de 15 mil indivíduos adultos e provavelmente sofre um declínio de aproximadamente 10% por década como resultado da perda contínua do habitat.


Onça Preta:
   Elas preferem floretas densas ou pântanos com uma provisão pronta de água.
   Pode derrubar uma presa quatro vezes seu próprio peso.
   Seu período de vida é de 18 a 20 anos.
 
   
O que você faria por estes animais? Comente.

Por Que Sentimos Mais Vontade de Comer no Inverno?


   O tempo esfria e o organismo sofre mudanças no apetite, nós sentimos menos vontade de consumir alimentos como saladas, frutas e verduras e prefere comidas quentes e mais calóricas como massas, pães e chocolates. No inverno, a temperatura corporal diminui e para nos aquecer, utilizamos mais energia.
 O corpo perde a vontade de fazer atividades que propiciam aquecimento, tornando o organismo mais preguiçoso. E além disso, há redução de serotonina (neurotransmissor que conduz a transmissão de uma célula nervosa para outra). No inverno, as pessoas ficam mais deprimidas e por isso acabam comendo mais para aumentar a produção deste neurotransmissor, que é responsável pela sensação de bem-estar.
   Porém, se a alimentação for desequilibrada no inverno, quando chegar o verão o organismo vai querer a mesma quantidade de comida.
   Por isso, mesmo no inverno, a alimentação deve continuar equilibrada, com a ingestão de frutas, verduras e legumes. É importante também não pular as refeições e reduzir o intervalo entre elas, o que ajuda a manter o corpo aquecido e a fome controlada. A prática de exercícios físicos também é fundamental, já que mantém o metabolismo acelerado e gasta a energia extra.


Já exagerou no inverno? No verão também? Comente.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Licantropia

   Licantropia é uma doença incurável, de origem psiquiátrica, na qual o paciente se imagina estar transformado em um lobo ou, ainda, em outros animais. O paciente literalmente age como um lobo, inclusive imitando seus grunhidos e no mais grave, passam a comer carne crua e sanguinolenta.
   A licantropia, sendo uma psicose, automaticamente apresenta um alto grau de histerismo, ideias delirantes mudança total da personalidade, e, assim como outras psicoses, é impossível separar a realidade do imaginado.
   Antigamente, sendo as psicoses de difícil tratamento, proliferavam psicóticos esquizofrênicos e outros doentes mentais, como sádicos, necrófilos e psicopatas em geral, os quais ocorriam à licantropia como via de saída para seus delírios ou seus instintos mórbidos.
   Estes doentes se valiam, como ainda hoje, dos personagens da cultura e do folclore para solidificar a crença em poder se transformar em lobo, e que nas noites de lua cheia, seu corpo se cobria de pelo, seus dentes se tornavam pontiagudos e suas unhas cresciam até virarem garras. Possuídos por tais delírios, os doentes vagavam pelas ruas assediando suas vítimas, atacando, mordendo e, em algumas ocasiões, esquartejando e comendo partes do seu corpo.
   

Alguns Alimentos Indispensáveis ao Organismo:

1 - Peixe:
 É uma ótima fonte de proteína, por apresentar baixo teor de gordura saturada. Alguns peixes como salmão e bacalhau são ricos em ômega 3, uma substância muito importante e que não é fabricada  pelo corpo humano. Essa substância á capaz de diminuir o colesterol "ruim" (LDL) e aumentar o colesterol "bom" (HDL), prevenindo também derrames e infartos.
   é recomendável comer peixe de 2 a 3 vezes por semana.


2 - Azeite de Oliva:
   O azeite de oliva é rico em gorduras monoinsaturadas, que ajuda a elevar o HDL e a reduzir o LDL. O azeite também propriedades antioxidantes e combate os chamados radicais livres, associados ao câncer.
   Para se aproveitar os benefícios do azeite, é recomendável consumi-lo na forma extra virgem, menos refinada. Como suas propriedades se perdem no aquecimento, ele deve ser usado frio, nas saladas como tempero.
   é recomendável ingerir 20ml (equivalente a 2 colheres de sopa) diariamente.
3 - Brócolis:
   Entre as hortaliças, o brócolis é a que tem a maior concentração de ferro, em média 15mg por 100g do vegetal. Além do ferro, o brócolis também tem vitamina C, A, ácido fólico, cálcio, selênio e potássio. Mas a grande vantagem é a de possuir luteína e bioflavonoides, poderosos antioxidantes.
   O brócolis pode ser comido diariamente junto ás refeições.


4 - Alho:
   O alho é fonte de cálcio, ferro, fósforo, ferro, magnésio, potássio, selênio e vitamina C.A alicina, substância química que dá o odor e sabor característico do alho, é a grande responsável pela maioria de suas propriedades funcionais. Entre os benefícios do alho estão: a diminuição dos níveis de colesterol, ação antioxidante, prevenção de doenças cardiovasculares e aterosclerose e diminuição do risco de obter câncer de cólon.
   Como o aquecimento acima de 50ºC destroi seus princípios ativos, o recomendável é consumi-lo cru, no tempero de saladas, por exemplo.
   É sugerido ingerir por dia 4g, o equivalente a 2 dentes de alho.


5 - Tomate: 
   Possui um alto teor de licopeno, substância antioxidante que combate os radicais livres, e também o responsável pela cor avermelhada do tomate.
   Os produtos derivados do tomate, como o molho de tomate, por exemplo, possui mais licopeno disponível do que o tomate in natura, já que essa substância aumenta com o calor.
   Podemos ingerir tomates todos os dias, nas saladas.

6  - Aveia:
   O consumo regular de aveia ajuda a prevenir doenças cardíacas. Isso se deve a uma fibra solúvel chamada betaglucano, que ajuda a reduzir o LDL. A aveia também ajuda a regular o funcionamento do intestino. Ela também ajuda a prevenir o câncer do intestino e do tubo digestivo.

Doenças Cardiovasculares


   As doenças cardiovasculares são todas as doenças do coração e sistema sanguíneo (artérias, veias e vasos capilares).
   Tipos:
•Doenças das artérias coronárias:
    DAC é um tipo de doença do coração, causada por bloqueio gradual das artérias coronárias. O coração obtém oxigênio e nutrientes do sangue que passa por essas artérias. Nesta doença, formam-se placas de tecidos gordurosos no interior das paredes dessas artérias. A medida que a placa aumenta em espessura, o fluxo de sangue diminui e às vezes a própria placa, ou um coágulo de sangue formado na placa, podem bloquear completamente a artéria. Isto faz com que o coração receba menos oxigênio. Este estreitamento das artérias pela placa, e, às vezes, o bloqueio completo, aumentam o risco de ataque cardíaco e morte súbita.
Fatores que aumentam o risco de acúmulo de placas gordurosas nas artérias:
- Tendência herdada (genética);
- Tabagismo;
- Pressão sanguínea elevada;
- Diabetes;
- Obesidade;
- Níveis altos de gordura no sangue (colesterol, por exemplo);
- Pouco exercício físico.
Sintomas:
   Geralmente não há sintomas, mas quando há, o mais comum é a dor de tórax, chamada angina. Ela se manifesta como uma pressão pesada abaixo do esterno, podendo também sentir uma pressão no pescoço, ombros, braços e até mandíbula.
   Quando se tem angina, também pode-se ter frequentemente encurtamento da respiração, aversão à luz, suores frios, ou náusea.
Diagnóstico:
   O diagnóstico é feito através de perguntas e exames, como eletrocardiograma.
Tratamento:
   A princípio, o tratamento pode incluir mudanças na dieta e um programa de exercícios monitorado. O médico também pode prescrever um medicamento para dor no peito. E em alguns casos, pode haver intervenção cirúrgica.
Prevenção:
- Alimentação saudável;
- Praticar exercícios físicos;
- Não fumar.
•Ataque cardíaco:
   Um ataque cardíaco acontece quando parte do coração não recebe oxigênio em quantidade suficiente. Um coágulo sanguíneo em uma das artérias coronárias pode bloquear o fluxo de sangue para o músculo cardíaco, o que acarreta prejuízos para o coração, e até, dependendo do tempo de duração do bloqueio, pode uma parte do coração morrer, fazendo com que pare de funcionar corretamente.
Sintomas:
- Dor no meio do peito;
- Dor no ombro, braço, barriga ou mandíbula;
- Falta de ar;
- Suor intenso;
- Náuseas;
- Fraqueza ou tonteira;
- Palidez.
Diagnóstico:
   Perguntas sobre histórico médico e exames para avaliar como o coração está trabalhando.
Tratamento:
   Permanecer no hospital de 2 a 7 dias. Caso haja dificuldade de respirar, receber oxigênio. Medicações para dissolver o coágulo, e outros medicamentos. Pode até ser necessário a realização de uma cirurgia, em casos mais graves.
Prevenção:
- Não fume;
- Se tiver diabetes, mantê-la sob controle;
- Alimentação saudável;
- Controle da pressão sanguínea;
- Ingerir pouca gordura e sal;
- Praticar exercícios regularmente.
•Angina:
   Dor ou desconforto no peito quando os músculos cardíacos não recebem sangue suficiente.
   Há três tipos de angina:
- Angina estável: Ocorre quando o coração está trabalhando mais forte que o usual. A dor ocorre num padrão regular, e a dor vai embora após medicamento ou repouso.
-Angina instável: A dor não segue padrão e não some após medicamento ou repouso. Requer tratamento de emergência.
- Angina variante (prinzmetal): Tipo raro, ocorre durante o repouso, entre meia-noite e de manhã cedo.A dor é forte e é aliviada com medicamentos.
Tratamentos:
   O tratamento inclui: mudanças no estilo de vida, medicamentos, procedimentos especiais e reabilitação cardíaca.
Prevenção:
- Dieta;
-Não fumar.
•Síndrome coronariana aguda:
   Dor precordial típica com infarto do miocárdio agudo ou iminente. Trata-se de placas de aterosclerose presentes nas artérias, complicadas por trombos, fissuras, rupturas, hemorragias ou erosões.
Diagnóstico:
   Eletrocardiograma (ECG), marcadores de necrose miocárdica.
Tratamento:
   Medicamentos.
•Aneurisma da aorta:
   A aorta (maior artéria do sistema circulatório) dilata-se a partir do ponto onde sai o coração. Esta dilatação causa mal funcionamento da válvula que se encontra entre o coração e a aorta (válvula aórtica), permitindo que o sangue retroceda para o coração quando a válvula se fecha.
Sintomas:
   Os sintomas são o resultado da pressão que a aorta dilatada exerce contra as estruturas vizinhas. Os sintomas típicos são dor, geralmente n aparte superior das costas, tose e sibilos.
Diagnóstico:
   Radiografia do tórax, tomografia axial (TAC), ressonância magnética (RM), ou ecografia transesofágica.
Tratamento:
   Cirurgia.
•Arritmias cardíacas:
   É um problema na velocidade ou ritmo do batimento cardíaco.
Tipos:
- Braquicardia: Quando o coração bate menos de 60 vezes por minuto.
- Taquicardia: Quando o coração bate mais de 100 vezes por minuto.
Sintomas:
   Palpitação, desmaio, falta de ar, mal estar, ou quando é mais grave, confusão mental, fraqueza, pressão baixa, dor no peito.
Diagnóstico:
   ECG, ecocardiograma, estudo eletrofisiológico, holter-24horas.
Tratamento:
   Medicação, e em casos mais graves, outras terapias.
•Doença cardíaca congênita:
   Doença na qual há anormalidade na estrutura ou função do coração, que está presente no nascimento, mesmo que descoberta mais tarde.
Sintomas:
   Falta de ar, cianose (coloração azul-arroxeada na pele), braqueteamento digital (dedos em forma de baqueta de tambor), suor em excesso e cansaço ao mamar, modificações no formato do tórax.
 Diagnóstico:
   Exame físico.
Tratamento:
   Correção do defeito estrutural através de cirurgia.
Prevenção:
   A não-exposição a possíveis agressores, como exames radiológicos, alguns medicamentos (vale consultar o médico), e rubéola.
•Insuficiência cardíaca:
   É quando uma das cavidades do coração falha como bomba, não sendo capaz de enviar adiante todo o sangue que recebe.
Sintomas:
   Falta de ar, inchaço ou edema principalmente nas pernas e no fígado.
Diagnóstico:
  Verificação de: ausculta cardíaca (sopros), ausculta pulmonar (chiado), edemas das pernas, e exames, como: radiografia de tórax e ecocardiograma.
Tratamento:
   Medicamentos ou, em casos mais graves, transplante cardíaco.
Prevenção:
   Bons hábitos de saúde, como dieta saudável, evitar cigarros e bebidas alcoólicas, praticar exercícios físicos, entre outros.