terça-feira, 2 de agosto de 2011

Invenções Curiosas!

                 
"Caneta Mágica"
Chega de comprar canetinhas de várias cores!!


"Olhos Abertos o Tempo Todo"
Muito útil pra usar na escola, no trabalho e perto de uma pessoa que tem voz de canção de ninar.



"Dicionário Prático"
Agora você não precisa se preocupar em aprender o idioma do país quando for viajar. Estas camisas dizem todas as informações básicas que você pode precisar. Para se comunicar é só apontar para os desenhos e depois para o ponto de interrogação!


"Cobre da Chuva"
Agora você pode sair na chuva e voltar sequinho pra casa!


"Iluminando o Caminho"
Com essas mini lanternas nos sapatos, podemos andar no escuro sem  nos preocuparmos em aonde estamos pisando. Muito útil!


"Apoiador de Páginas"
Com esse "apoiador de páginas" de livros, você pode segurar o livro com uma mão, sem problemas de ele ficar fechando, e com a outra pode fazer o que quiser!


"Sofá - Cama Beliche"
Aprenda a economizar espaço com esse "sofá - cama beliche".


"Apoio Para Fotos à Distância"
O fotógrafo agora já está incluído na foto tirada à distância. 


Gostou das invenções? O que você faria com elas? Comente. (:

Alguns Animais Ameaçados de Extinção

Cervo do Pantanal:
   Esse animal vive perto da água, deslocando-se bem sobre terrenos pantanosos devido à estrutura de seus cascos.
   É o maior veado da América do Sul. Vive nas regiões pantanosas e ao longo das bordas das florestas do Brasil, Uruguai, Paraguai e Guianas.
   Causas da ameaça de extinção: destruição de habitat, caça, área de distribuição restrita, populações pequenas, em declínio e isoladas. Embora sua carne não sirva para comer, o Cervo do Pantanal é caçado por causa do seu couro e da galhada.


Muriqui:
   Maior primata das Américas, endêmico da Mata Atlântica. A cabeça é redonda e o corpo pesado, os membros são longos e esbeltos; o rabo é mais longo do que o corpo.
   a ameaça de extinção ocorre pela destruição do habitat natural. Ele só é encontrado nos remanescentes da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil.


Cachorro vinagre:
    Vive em cerrados e savanas.
   Eles são os menores cães silvestres do Brasil, e, embora sejam canídeos, eles possuem um rabo muito curto e o menor número de dentes da família canidae, apenas 38.
   É a única espécie viva em seu gênero (Speothos). Atualmente a população é calculada em menos de 15 mil indivíduos adultos e provavelmente sofre um declínio de aproximadamente 10% por década como resultado da perda contínua do habitat.


Onça Preta:
   Elas preferem floretas densas ou pântanos com uma provisão pronta de água.
   Pode derrubar uma presa quatro vezes seu próprio peso.
   Seu período de vida é de 18 a 20 anos.
 
   
O que você faria por estes animais? Comente.

Por Que Sentimos Mais Vontade de Comer no Inverno?


   O tempo esfria e o organismo sofre mudanças no apetite, nós sentimos menos vontade de consumir alimentos como saladas, frutas e verduras e prefere comidas quentes e mais calóricas como massas, pães e chocolates. No inverno, a temperatura corporal diminui e para nos aquecer, utilizamos mais energia.
 O corpo perde a vontade de fazer atividades que propiciam aquecimento, tornando o organismo mais preguiçoso. E além disso, há redução de serotonina (neurotransmissor que conduz a transmissão de uma célula nervosa para outra). No inverno, as pessoas ficam mais deprimidas e por isso acabam comendo mais para aumentar a produção deste neurotransmissor, que é responsável pela sensação de bem-estar.
   Porém, se a alimentação for desequilibrada no inverno, quando chegar o verão o organismo vai querer a mesma quantidade de comida.
   Por isso, mesmo no inverno, a alimentação deve continuar equilibrada, com a ingestão de frutas, verduras e legumes. É importante também não pular as refeições e reduzir o intervalo entre elas, o que ajuda a manter o corpo aquecido e a fome controlada. A prática de exercícios físicos também é fundamental, já que mantém o metabolismo acelerado e gasta a energia extra.


Já exagerou no inverno? No verão também? Comente.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Licantropia

   Licantropia é uma doença incurável, de origem psiquiátrica, na qual o paciente se imagina estar transformado em um lobo ou, ainda, em outros animais. O paciente literalmente age como um lobo, inclusive imitando seus grunhidos e no mais grave, passam a comer carne crua e sanguinolenta.
   A licantropia, sendo uma psicose, automaticamente apresenta um alto grau de histerismo, ideias delirantes mudança total da personalidade, e, assim como outras psicoses, é impossível separar a realidade do imaginado.
   Antigamente, sendo as psicoses de difícil tratamento, proliferavam psicóticos esquizofrênicos e outros doentes mentais, como sádicos, necrófilos e psicopatas em geral, os quais ocorriam à licantropia como via de saída para seus delírios ou seus instintos mórbidos.
   Estes doentes se valiam, como ainda hoje, dos personagens da cultura e do folclore para solidificar a crença em poder se transformar em lobo, e que nas noites de lua cheia, seu corpo se cobria de pelo, seus dentes se tornavam pontiagudos e suas unhas cresciam até virarem garras. Possuídos por tais delírios, os doentes vagavam pelas ruas assediando suas vítimas, atacando, mordendo e, em algumas ocasiões, esquartejando e comendo partes do seu corpo.
   

Alguns Alimentos Indispensáveis ao Organismo:

1 - Peixe:
 É uma ótima fonte de proteína, por apresentar baixo teor de gordura saturada. Alguns peixes como salmão e bacalhau são ricos em ômega 3, uma substância muito importante e que não é fabricada  pelo corpo humano. Essa substância á capaz de diminuir o colesterol "ruim" (LDL) e aumentar o colesterol "bom" (HDL), prevenindo também derrames e infartos.
   é recomendável comer peixe de 2 a 3 vezes por semana.


2 - Azeite de Oliva:
   O azeite de oliva é rico em gorduras monoinsaturadas, que ajuda a elevar o HDL e a reduzir o LDL. O azeite também propriedades antioxidantes e combate os chamados radicais livres, associados ao câncer.
   Para se aproveitar os benefícios do azeite, é recomendável consumi-lo na forma extra virgem, menos refinada. Como suas propriedades se perdem no aquecimento, ele deve ser usado frio, nas saladas como tempero.
   é recomendável ingerir 20ml (equivalente a 2 colheres de sopa) diariamente.
3 - Brócolis:
   Entre as hortaliças, o brócolis é a que tem a maior concentração de ferro, em média 15mg por 100g do vegetal. Além do ferro, o brócolis também tem vitamina C, A, ácido fólico, cálcio, selênio e potássio. Mas a grande vantagem é a de possuir luteína e bioflavonoides, poderosos antioxidantes.
   O brócolis pode ser comido diariamente junto ás refeições.


4 - Alho:
   O alho é fonte de cálcio, ferro, fósforo, ferro, magnésio, potássio, selênio e vitamina C.A alicina, substância química que dá o odor e sabor característico do alho, é a grande responsável pela maioria de suas propriedades funcionais. Entre os benefícios do alho estão: a diminuição dos níveis de colesterol, ação antioxidante, prevenção de doenças cardiovasculares e aterosclerose e diminuição do risco de obter câncer de cólon.
   Como o aquecimento acima de 50ºC destroi seus princípios ativos, o recomendável é consumi-lo cru, no tempero de saladas, por exemplo.
   É sugerido ingerir por dia 4g, o equivalente a 2 dentes de alho.


5 - Tomate: 
   Possui um alto teor de licopeno, substância antioxidante que combate os radicais livres, e também o responsável pela cor avermelhada do tomate.
   Os produtos derivados do tomate, como o molho de tomate, por exemplo, possui mais licopeno disponível do que o tomate in natura, já que essa substância aumenta com o calor.
   Podemos ingerir tomates todos os dias, nas saladas.

6  - Aveia:
   O consumo regular de aveia ajuda a prevenir doenças cardíacas. Isso se deve a uma fibra solúvel chamada betaglucano, que ajuda a reduzir o LDL. A aveia também ajuda a regular o funcionamento do intestino. Ela também ajuda a prevenir o câncer do intestino e do tubo digestivo.

Doenças Cardiovasculares


   As doenças cardiovasculares são todas as doenças do coração e sistema sanguíneo (artérias, veias e vasos capilares).
   Tipos:
•Doenças das artérias coronárias:
    DAC é um tipo de doença do coração, causada por bloqueio gradual das artérias coronárias. O coração obtém oxigênio e nutrientes do sangue que passa por essas artérias. Nesta doença, formam-se placas de tecidos gordurosos no interior das paredes dessas artérias. A medida que a placa aumenta em espessura, o fluxo de sangue diminui e às vezes a própria placa, ou um coágulo de sangue formado na placa, podem bloquear completamente a artéria. Isto faz com que o coração receba menos oxigênio. Este estreitamento das artérias pela placa, e, às vezes, o bloqueio completo, aumentam o risco de ataque cardíaco e morte súbita.
Fatores que aumentam o risco de acúmulo de placas gordurosas nas artérias:
- Tendência herdada (genética);
- Tabagismo;
- Pressão sanguínea elevada;
- Diabetes;
- Obesidade;
- Níveis altos de gordura no sangue (colesterol, por exemplo);
- Pouco exercício físico.
Sintomas:
   Geralmente não há sintomas, mas quando há, o mais comum é a dor de tórax, chamada angina. Ela se manifesta como uma pressão pesada abaixo do esterno, podendo também sentir uma pressão no pescoço, ombros, braços e até mandíbula.
   Quando se tem angina, também pode-se ter frequentemente encurtamento da respiração, aversão à luz, suores frios, ou náusea.
Diagnóstico:
   O diagnóstico é feito através de perguntas e exames, como eletrocardiograma.
Tratamento:
   A princípio, o tratamento pode incluir mudanças na dieta e um programa de exercícios monitorado. O médico também pode prescrever um medicamento para dor no peito. E em alguns casos, pode haver intervenção cirúrgica.
Prevenção:
- Alimentação saudável;
- Praticar exercícios físicos;
- Não fumar.
•Ataque cardíaco:
   Um ataque cardíaco acontece quando parte do coração não recebe oxigênio em quantidade suficiente. Um coágulo sanguíneo em uma das artérias coronárias pode bloquear o fluxo de sangue para o músculo cardíaco, o que acarreta prejuízos para o coração, e até, dependendo do tempo de duração do bloqueio, pode uma parte do coração morrer, fazendo com que pare de funcionar corretamente.
Sintomas:
- Dor no meio do peito;
- Dor no ombro, braço, barriga ou mandíbula;
- Falta de ar;
- Suor intenso;
- Náuseas;
- Fraqueza ou tonteira;
- Palidez.
Diagnóstico:
   Perguntas sobre histórico médico e exames para avaliar como o coração está trabalhando.
Tratamento:
   Permanecer no hospital de 2 a 7 dias. Caso haja dificuldade de respirar, receber oxigênio. Medicações para dissolver o coágulo, e outros medicamentos. Pode até ser necessário a realização de uma cirurgia, em casos mais graves.
Prevenção:
- Não fume;
- Se tiver diabetes, mantê-la sob controle;
- Alimentação saudável;
- Controle da pressão sanguínea;
- Ingerir pouca gordura e sal;
- Praticar exercícios regularmente.
•Angina:
   Dor ou desconforto no peito quando os músculos cardíacos não recebem sangue suficiente.
   Há três tipos de angina:
- Angina estável: Ocorre quando o coração está trabalhando mais forte que o usual. A dor ocorre num padrão regular, e a dor vai embora após medicamento ou repouso.
-Angina instável: A dor não segue padrão e não some após medicamento ou repouso. Requer tratamento de emergência.
- Angina variante (prinzmetal): Tipo raro, ocorre durante o repouso, entre meia-noite e de manhã cedo.A dor é forte e é aliviada com medicamentos.
Tratamentos:
   O tratamento inclui: mudanças no estilo de vida, medicamentos, procedimentos especiais e reabilitação cardíaca.
Prevenção:
- Dieta;
-Não fumar.
•Síndrome coronariana aguda:
   Dor precordial típica com infarto do miocárdio agudo ou iminente. Trata-se de placas de aterosclerose presentes nas artérias, complicadas por trombos, fissuras, rupturas, hemorragias ou erosões.
Diagnóstico:
   Eletrocardiograma (ECG), marcadores de necrose miocárdica.
Tratamento:
   Medicamentos.
•Aneurisma da aorta:
   A aorta (maior artéria do sistema circulatório) dilata-se a partir do ponto onde sai o coração. Esta dilatação causa mal funcionamento da válvula que se encontra entre o coração e a aorta (válvula aórtica), permitindo que o sangue retroceda para o coração quando a válvula se fecha.
Sintomas:
   Os sintomas são o resultado da pressão que a aorta dilatada exerce contra as estruturas vizinhas. Os sintomas típicos são dor, geralmente n aparte superior das costas, tose e sibilos.
Diagnóstico:
   Radiografia do tórax, tomografia axial (TAC), ressonância magnética (RM), ou ecografia transesofágica.
Tratamento:
   Cirurgia.
•Arritmias cardíacas:
   É um problema na velocidade ou ritmo do batimento cardíaco.
Tipos:
- Braquicardia: Quando o coração bate menos de 60 vezes por minuto.
- Taquicardia: Quando o coração bate mais de 100 vezes por minuto.
Sintomas:
   Palpitação, desmaio, falta de ar, mal estar, ou quando é mais grave, confusão mental, fraqueza, pressão baixa, dor no peito.
Diagnóstico:
   ECG, ecocardiograma, estudo eletrofisiológico, holter-24horas.
Tratamento:
   Medicação, e em casos mais graves, outras terapias.
•Doença cardíaca congênita:
   Doença na qual há anormalidade na estrutura ou função do coração, que está presente no nascimento, mesmo que descoberta mais tarde.
Sintomas:
   Falta de ar, cianose (coloração azul-arroxeada na pele), braqueteamento digital (dedos em forma de baqueta de tambor), suor em excesso e cansaço ao mamar, modificações no formato do tórax.
 Diagnóstico:
   Exame físico.
Tratamento:
   Correção do defeito estrutural através de cirurgia.
Prevenção:
   A não-exposição a possíveis agressores, como exames radiológicos, alguns medicamentos (vale consultar o médico), e rubéola.
•Insuficiência cardíaca:
   É quando uma das cavidades do coração falha como bomba, não sendo capaz de enviar adiante todo o sangue que recebe.
Sintomas:
   Falta de ar, inchaço ou edema principalmente nas pernas e no fígado.
Diagnóstico:
  Verificação de: ausculta cardíaca (sopros), ausculta pulmonar (chiado), edemas das pernas, e exames, como: radiografia de tórax e ecocardiograma.
Tratamento:
   Medicamentos ou, em casos mais graves, transplante cardíaco.
Prevenção:
   Bons hábitos de saúde, como dieta saudável, evitar cigarros e bebidas alcoólicas, praticar exercícios físicos, entre outros.

domingo, 31 de julho de 2011

A Importância da Amamentação


  Vantagens da amamentação:
•Para o bebê: a amamentação protege as crianças contra otites, alergias, vômitos, diarreias, pneumonias, bronquites e meningites. Além disso, melhora o desenvolvimento mental do bebê. O leite é mais facilmente digerido, promove uma ligação emocional muito forte e precoce entre mãe e filho, e auxilia na  formação da boca e no alinhamento dos dentes. A amamentação é indicada até os 2 anos.
•Para a mãe: a mãe sente-se mais segura e menos ansiosa, faz queimar calorias e com isso a mulher volta mais depressa ao peso que tinha antes da gravidez, ajuda o útero a regressar ao seu tamanho normal mais rapidamente e protege de algumas doenças como cancro de mama e de ovário, osteoporose e anemia.
 Cuidados Especiais:
Até os seis meses a criança deve ser alimentada exclusivamente com leite materno. A partir daí, outros alimentados, como sopas e sucos, passam a ser introduzidos na dieta.
   O leite adaptado (leite em pó) é muito diferente do leite materno e sua utilização tem riscos para o bebê. Ele aumenta o risco de alergia ao leite de vaca, otite, amigdalite, bronquite, pneumonia, diarreia, infecção urinária e septicemia (infecção geral no organismo). Os indivíduos também podem desenvolver diabetes tipo 1 e obesidade na fase adulta.
   A mulher quando está amamentando, deve ingerir 500 calorias a mais da necessidade diária, se alimentar de maneira equilibrada e adequada, e bastante líquido. O que aumenta a produção de leite é a quantidade e qualidade do alimento ingerido. O repouso também é essencial.

Alergias no Inverno


   O ar muito gelado e seco, somado à poluição, é o gatilho para as irritações nas vias respiratórias. Sem contar com as frequentes variações bruscas de temperatura, que podem facilitar a instalação de doenças como os resfriados, gerando estresse infeccioso do organismo, acarretando ocasionalmente o desencadeamento de processo alérgico.
   A alergia respiratória apresenta predisposição genética, onde a pessoa pode ser sensível a determinados agentes, como poeira, ácaros, pólen, fungos, pelos de animais, entre outros.
   As doenças alérgicas respiratórias apresentam um forte caráter de herança genética. Filhos de pais atópicos (alérgicos) apresentam grande possibilidade de serem alérgicos e de terem filhos alérgicos. Em alguns casos, deve-se realizar testes alérgicos para avaliar o perfil do indivíduo. O tratamento das doenças alérgicas é: prevenção ambiental, uso de medicamentos preventivos, e imunoterapia (vacinas), em alguns casos específicos.
   É importante que o ambiente onde pessoas alérgicas vivem minimize as condições que possam levar ao desencadeamento do processo alérgico. Quartos arejados, com exposição solar, travesseiros e colchões cobertos com capas antialérgicas, e casas sem tapetes, bicho de pelúcia e objetos que acumulem poeira, são grandes aliados dos alérgicos. Tabagistas devem evitar fumar perto dos alérgicos ou ficar com odor de fumaça próximo a eles.

Como é Feito o Refrigerante?

•Tratamento da água: a água utilizada  para a fabricação de refrigerantes sofre um tratamento rigoroso dentro da própria fábrica, com filtros especiais e constantes exames de amostras para garantir sua pureza.
•Gás carbônico: especialistas realizam uma série de testes para garantir a pureza absoluta do gás que será utilizado. Ele é guardado em recipientes apropriados.
•Controle de qualidade: todas as etapas da fabricação de refrigerantes são controladas em modernos laboratórios, que cuidam da manutenção da qualidade e pureza dos produtos.
•Açúcar: o açúcar no processo é produzido com cuidado para assegurar sua qualidade.
•Carbo-resfriador: a água, já tratada, é misturada proporcionalmente ao xarope do refrigerante. A mistura é resfriada recebe a quantidade necessária de gás carbônico.
•Preparação do xarope: o concentrado de refrigerante é misturado ao xarope simples em proporções fixas. O concentrado é o que dá a característica de cada refrigerante. Bebidas com sabor de fruta recebem também uma quantidade do suco natural da fruta correspondente.
•Tanque misturador: em tanques de aço inoxidável, o açúcar e a água são cuidadosamente dosados e misturados, preparando-se, dessa forma, o xarope simples.
•Filtro para xarope: o xarope simples passa por um filtro especial que elimina qualquer impureza, cor ou sabor estranho, para garantir sua qualidade.
•Inspeção final: cada garrafa é cuidadosamente verificada.
•Enchedeira: a bebida pronta, já carbonatada e resfriada, é introduzida em garrafas ou latas em seu volume exato. Os recipientes, após receberem o produto, são perfeitamente fechados. Todo o processo é feito sem o contato humano.
•Lavadora de garrafas: as garrafas vazias são lavadas e esterilizadas numa solução detergente. Posteriormente, são enxaguadas em água potável.
•Garrafas vazias: caixas com garrafas vazias são retiradas e aguardam novo processo industrial.
•Desencaixotadora: as garrafas vazias são retiradas automaticamente da caixa.
•Empilhadeiras: sobre estrados, as caixas são transportadas por empilhadeiras para armazenagem ou para os caminhões de entrega.
•Encaixotadora: as garrafas são depositadas automaticamente no interior das caixas.
•Armazenamento: caixas com refrigerantes aguardam o momento de serem colocadas nos caminhões.
•Caminhões de entrega: caminhões carregados e levam os produtos a revendedores, para venda ao público.

Receita de refrigerante caseiro:
Ingredientes:
•1 garrafa de água mineral com gás.
•500 ml de suco (sabor a critério).
•açúcar.
•gelo.
Modo de preparo:
•Coloque a água na geladeira, para que fique bem gelada.
•Bata no liquidificador: a água, o suco e o açúcar.
•Na hora de servir coloque o gelo.
Obs.: em caso de utilização de xarope natural de guaraná, não é necessário adoçar.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Animais Curiosos:

Basket star:


   São animais marinhos invertebrados, um tipo especial de estrela do mar quebradiças.
   Seus corpos são formados por  um disco central, com multidões de braços. O disco central pode ser aproximadamente 14 cm e os braços, 4 - 5 vezes o comprimento do disco. Suas cores variam entre os indivíduos e, muitas vezes em diferentes partes do corpo, variando de bege a quase branco.
   Esses animais vivem em torno de 35 anos.

Phronima:


   É encontrado em todo os oceanos do mundo, exceto em regiões polares. 
   O Phronima é basicamente um polvo normal, exceto que ele faz muitas outras coisas que os polvos não fazem, como por exemplo, viver perto da superfície, em mar aberto. Outra coisa curiosa sobre esse animal, é que os machos são minúsculos, com apenas dois centímetros, enquanto as fêmea ultrapassam dez centímetros, com conchas de até 30 cm. Embora sejam pequenos, os machos conseguem segurar as fêmeas com apenas dois tentáculos.
   A parte mais curiosa deles, é que eles vagam pelo oceano a procura de águas vivas altamente letais. Eles se agarram às águas vivas e se incorporam a elas, de modo que passam a usar os tentáculos das águas vivascomo armas para se defender. Tanto o macho, quanto a fêmea, usam esde engenhoso artifício de defesa. Esses polvos conseguem ainda conectar seus corpos aos estômagos das águas vivas, de maneira que elas são mantidas vivas por um longo tempo para servirem de armas. Isso faz deles os únicos polvos parasitas que se tem notícia.

Phrynosoma:

    Ou também chamado de Lagarto Horned, pode ser encontrado em diversos países da América do Norte. Sua cor é perfeita para camuflagem, e eles se alimentam basicamente de formigas. Quando se sente ameaçado, sua primeira defesa é ficar imóvel, após isso eles incham seu corpo, dando a impressão ao predador de ser maior e mais difícil de ser engolido. Mas a defesa mais utilizada por ele não é essa, mas sim, uma bem intrigante: quando seu inimigo está muito próximo, ele libera um jato de sangue dos seus olhos, na direção de seu adversário para confundí-los.
   O jato ocorre quando o animal pressiona a cabeça, restringindo o fluxo de sangue do local e aumentando a pressão arterial que causa a ruptura dos vasos capilares oa redor das pálpebras. O jato pode alcançar até 5 metros.

Wolf trap anglerfish:


     É um peixe de águas profundas com uma estrutura de mandíbula incomum. Ele tem uma espécie de "vara de pescar" com que ele "pesca" seu alimento. Há na ponta dessa "vara de pescar" uma parte bioluminescente que funciona como se fosse uma "ísca" para atrair seu alimento.


Special jellyfish:


     As águas vivas em geral, se movem para cima e para baixo no mar. Esta água viva especial não é como todas as medusas. Ela está apenas a alguns centímetros do fundo do mar. Seus tentáculos chegam a tocar o fundo do mar. E ela também emite diferentes raios de luz a partir dela.

Hipertricose ou "Síndrome de Lobisomem"

   A hipertricose é uma anomalia rara. As pessoas que sofrem dessa doença ficam completamente cobertas de lanugem, com exceção das palmas das mãos e dos pés.
   A lanugem é um cabelo fino que aparece nos fetos e que desaparece pouco antes ou depois do nascimento. Os pacientes com hipertricose não perdem a lanugem, e podem até desenvolvê-la, ficando com a aparência de um "lobisomem". Neste caso, a lanugem substitui o crescimento de todos os outros tipos de pelo do corpo.
   Existem basicamente duas variantes da doença:
•Hipertricose Lanuginosa Congênita: o cabelo é  relativamente  fino e felpudo e pode chegar a 25 cm de comprimento.
•Síndrome de Abras: nesta variante da doença, o cabelo é mais grosso, colorido e cresce durante a vida toda.
   Ainda não se sabe ao certo as possíveis causas da doença, mas se acredita que seja uma condição genética, considerada hereditária (os descendentes tem 50% de chance de obter a doença) ou devido a mutação de genes. Na hipertricose, o crescimento das pelugens se dá após o nascimento desencadeado geralmente por problemas relacionados ao câncer.
   Essas pessoas que sofrem de hipertricose, sofrem  por serem rejeitadas e discriminadas pela sociedade, o que faz com que a pessoa sofra de problemas psicológicos, como a depressão.
   A hipertricose não tem cura. Seu tratamento consiste em técnicas de depilação avançadas, como utilização de laser e eletrólise dos fios, porém, essas técnicas não são satisfatórias.

O Que é um Hacker?

   Hackers são indivíduos que elaboram e modificam software e hardware de computadores, desenvolvendo funcionalidades novas ou adaptando as antigas.
   A palavra "hacker" pode ser traduzida como "fuçador", pois vem do verbo "to hack" que significa "fuçar". Hackers são feras da informática que vivem a aprender como os sistemas funcionam externa e principalmente internamente. Eles exploram os detalhes de sistemas programáveis, e ampliam suas habilidades, em oposição à maioria dos usuários que prefere aprender apenas o mínimo necessário.
   É preferível ser chamado de hacker pelos outros a se intitular um hacker. Os hackers consideram-se uma elite (um privilégio baseado na habilidade), embora recebam com alegria novos membros.
   Não confunda Hacker com Cracker:
   Muitos chamam de hacker a pessoas que invadem computadores e roubam senhas. Na verdade, essas pessoas não são denominadas "hackers", mas sim, "crackers". Eles são programadores maliciosos e ciberpiratas que agem com o intuito de violara ilegal ou imoralmente sistemas cibernéticos. O roubo de senhas, contas bancárias e criação e disseminação de vírus seriam atividades hacker, realizadas por pessoasque violam a segurança de sistemas ilegalmente.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Medo e Fobia

   Como saber se é fobia ou medo? Bom, os dois tem uma diferença básica: o medo acontece por um motivo racional, é uma reação emocional devido a um perigo real externo; enquanto fobia é um medo irracional relacionado a algo que não apresenta grandes riscos.
   Geralmente a fobia aparece acompanhada de sintomas físicos, como transpiração excessiva (sudorese), taquicardia, tremores, falta de ar, variações de pressão, entre outros.
   Na maioria dos casos, a fobia aparece devido a alguma espécie de trauma, geralmente ocorrido na infância, mas as fobias em geral podem ocorrer em qualquer idade, podendo ser ela a mais absurda possível.
   A fobia é uma síndrome que precisa de acompanhamento médico, pois afeta diretamente a vida do paciente, podendo prejudicar suas tarefas cotidianas.
   Veja agora uma lista com algumas das fobias mais comuns:
•Claustofobia: medo exagerado de lugares fechados como elevadores, túneis, e até mesmo equipamentos de tomografia e ressonância magnética.
•Hipsiofobia ou Acrofobia: medo de altura ou lugares altos.
•Glossofobia: medo de falar em público.
•Nictofobia: medo do escuridão ou da noite.
•Hematofobia ou Hemofobia: medo de ver sangue.
•Aicmofobia: medo exagerado de agulhas de injeção ou objetos pontudos.
•Aracnofobia: medo exagerado de aranhas.
•Catoptrofobia: medo de espelhos.
•Catsaridafobia: medo exagerado de baratas.
•Cleptofobia: medo exagerado de ser roubado.
•Espectrofobia ou Ghostfobia: medo de fantasmas ou espectros.
•Insectofobia: medo de insetos.
•Musofobia ou Murofobia: medo exagerado de ratos.
•Ofidiofobia: medo exagerado de cobras.
   A lista abaixo mostra fobias raras e algumas até um pouco absurdas:
•Neofobia: medo de coisas novas.
•Hidrofobia: medo de água.
•Gerontofobia: medo de pessoas idosas.
•Metrofobia: medo de poesia.
•Antofobia: medo de flores.
•Coulrofobia: medo de palhaços.
•Barofobia: medo da gravidade.
•Fengofobia: medo da luz do dia ou do nascer do sol.
•Afefobia: medo de ser tocado.
•Papafobia: medo do papa.
•Farmacofobia: medo de tomar remédios.
•Filemafobia ou Filematofobia: medo de beijar.
•Fobofobia: medo de fobias.
•Afobia: medo da falta de fobias.
•Pantofobia: medo de todas as coisas (exatamente todas as coisas; sim, isso exite.).

Como Acontece a Chuva de Granizo?

   As gotas de água que se evaporam dos rios, mares e da superfície terrestre, quando chegam às nuvens e encontram temperaturas abaixo de -80°C, viram gelo. Congelado, o vapor de água fica com mais peso do que a nuvem poderia aguentar, e cai em forma de pedra de gelo.
   A pedra de gelo tem, em média, 0,5 a 5 centímetros de diâmetro, mas isso pode variar. Nos Estados Unidos, na década de 1970, foi registrado um granizo com 750 gramas.
   Em alguns casos, as partículas de granizo são tão pequenas que podem atingir o solo já na forma líquida. Esse processo depende das condições de umidade, peso e velocidade que o granizo atinge. Contudo, quando as condições atmosféricas são propícias para uma intensa precipitação de granizo, as consequências podem ser desastrosas.
   O granizo pode destruir plantações, provocar a queda de árvores, abalar a estrutura de telhados, danificar a rede

 elétrica, amassar carros, entre outros. Durante uma chuva de granizo, não é aconselhável ficar embaixo de árvores ou telhados frágeis.
   Por que as chuvas de granizo não ocorrem em regiões polares?
   O granizo só se forma em um único tipo de nuvem, a cumulonimbus, também responsável por trovões e relâmpagos. Essa nuvem atinge até 25 km de altitude a partir da linha do Equador. E elas só aparecem nas regiões mais quentes. Isso acontece porque ela se forma graças a temperaturas elevadas e alto índice de umidade relativa do ar, mais raro nos países frios. A ocorrência de granizo, portanto, é mais frequente nas regiões equatoriais, e vai diminuindo gradativamente ao longo das regiões tropicais, extratropicais e temperadas.

Você é Hipocondríaco?


   Hipocondria é uma doença de base psicológica caracterizada pelo paciente estar sempre pensando ter doenças, desde as mais comuns, como gripe, até as mais graves, como câncer ou aids. Qualquer sintoma, como uma simples dor de cabeça ou uma tosse, já é motivo de grave preocupação, pois o paciente já acha que pode ter várias doenças ou uma doença gravíssima. E é claro, hipocondríacos que conhecem a hipocondria, com certeza já pensaram tê-la. Geralmente eles tem uma caixa cheia de diferentes tipos de remédios, e com certeza, não acreditam ou ficam desconfiadas quando o médico diz que não há nenhum problema.
   Basicamente há três tipos de hipocondríacos:
•Hipocondríaco Obsessivo-compulsivo: vivem o tempo todo atormentados por sensações e pensamentos, fazendo com que eles procurem informações na internet, familiares e amigos, sobre doenças que eles imaginam serem portadores.
•Hipocondríaco Fóbico: evitam ir a médicos ou saber qualquer informação sobre qualquer tipo de doença, reprimindo o medo de possuírem tais doenças. Nesse caso, as pessoas se tornam negligentes com a própria saúde.
•Hipocondríaco Depressivo: São indivíduos que se encontram desesperados pois acreditam fielmente que possuem tal doença crônica que nenhum médico possa curar.
   Todos esses tipos de distúrbio causam bastante ansiedade e sofrimento ás pessoas que as possuem. O ideal é procurar um profissional especialista que o ajude a enfrentar e solucionar o problema.
   Tem dúvidas de que você possa ser hipocondríaco? Faça o teste

domingo, 10 de julho de 2011

O Que é a Neblina?

   Quando o vapor d'água é submetido a um resfriamento, ele tende a se condensar, formando uma névoa parecida com uma nuvem e quando essa névoa fica perto da superfície, é chamada de neblina.
   Na natureza, há várias maneiras de formar neblina e isso depende muito da topografia e da distância das fontes de umidade, como rios, lagos e oceanos. É comum aparecer nevoeiro noturno e regiões onde há rios. Durante a noite, a umidade resultante da evaporação do rio se resfria e surge a névoa. Frentes frias também produzem neblina. Quando chega um vento glacial das regiões polares, ele faz com que o vapor das águas costeiras mais quentes se condense. Há também nevoeiros que são formados em montanhas perto do mar. São formadas pelo vento que sobe do mar às montanhas, cuja temperatura é mais baixa.
   O fenômeno também é fácil de ser observado em automóveis durante o inverno, quando dentro do carro fica mais quente do que fora. Nesse caso, os vidros, por estarem em contato com o frio externo, permanecem gelados. Então, as gotículas de vapor, que estão no ar interno do veículo, ao entrarem em contato com o pára-brisa, se condensam e o embaçam.

Por Que Azul para Meninos e Rosa para Meninas?


   Desde que nascemos, temos que ser distinguidos através de cores: um bebê é vestido de rosa quando é menina e quando é menino, é vestido de azul. Nós crescemos e as distinções continuam. Meninos vestidos de rosa sofrem deboches e meninas vestidas de azul sofrem críticas.
   Mas da onde é que veio isso? Por que exatamente essas cores?
   Existem algumas teorias que explicam isso. Vamos ver:
   A primeira teoria é de que isso é um fato biológico vindo de nossos tempos primórdios. Devido ao fato de os homens serem designados para a caça, sua preferência é o azul, devido à cor do céu nos dias bons para essas atividades. E, para as mulheres, as cores avermelhadas, incluindo o rosa, seria sua preferência, devido ao fato de as mulheres serem designadas às colheitas, e com o maior contato com as frutas vermelhas e roxas. A conclusão veio de uma análise do comportamento dos primeiros seres humanos, que sobreviviam recolhendo o alimento disponível espontaneamente  na natureza e caçando animais há 200.000 anos, os chamados caçadores-coletores.
   Outra teoria diz que isso é um fator cultural, e vem do fato de os pais vestirem as crianças desde recém-nascidas de acordo com as cores padrões: azul para menino e rosa para menina. Antes da década de 20, as crianças de ambos os sexos eram vestidas de branco, e tanto meninas, quanto meninos usavam vestidos. Após a década de 20, quando a distinção de cores surgiu, meninos usavam rosa e meninas é que usavam azul. Apenas na década de 40 é que esse padrão de cores foi invertido para o que temos hoje: meninos de azul e meninas de rosa.
   Há ainda mais uma teoria um pouco supersticiosa, quando se acreditava que algumas cores podiam expulsar os espíritos nefastos que rondavam os recém-nascidos. Como bebês do sexo masculino eram mais valiosos, passaram a ser vestidos com roupas azuis, cor associada aos espíritos do bem, por ser a mesma cor do céu. As meninas, quando recebiam alguma atenção, ganhavam roupas pretas, cor da fertilidade na cultura oriental, de onde possivelmente veio a crença nos espíritos. Mas foi só no século 19 que o rosa ganhou alguma ligação com a feminilidade, influenciado por uma lenda europeia, que diz que as meninas nascem de rosas e meninos de repolhos azuis. Esse padrão, no entanto, não se disseminou por todo o mundo. Por um bom tempo, na França, as meninas se vestiam de azul, por causa da tradição católica, que associa a cor à pureza da Virgem Maria.

Obesidade


   Obesidade é uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde.
   A obesidade pode ser causada pelo hábito de comer demasiadamente ou comer alimentos com altos níveis calóricos e também por fatores genéticos pré dispostos. Em consequência disso, o paciente acaba ingerindo mais calorias do que pode gastar, e assim, acaba ficando obeso e sofrendo o risco de obter diversas doenças perigosas.
   Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras
infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo algumas delas serem graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando a longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa (varizes) superficial e profunda com úlceras de repetição e erisipela.
   Se a criança é obesa aos 6 anos de idade, ela apresenta 50% de chance de se tornar um adulto obeso. Já na adolescência, a chance é de 70% a 80%. As crianças obesas são mais altas, apresentam idade óssea avançada e maturação sexual antecipada, em comparação com as crianças não obesas.
   A obesidade é fator de risco para diversas doenças e distúrbios:

•Hipertensão arterial
•Doenças cardiovasculares
•Doenças cérebro-vasculares
•Diabetes Mellitus tipo II
•Câncer
•Osteoartrite
•Coledocolitíase
•Distúrbios Lipídicos
•Hipercolesterolemia
•Diminuição de HDL (colesterol bom)
•Aumento da Insulina
•Intolerância à Glicose
•Distúrbios Menstruais / Infertilidade
•Apnéia do Sono

   Diagnóstico:
   A forma mais amplamente recomendada para avaliação do peso corporal em adultos é o IMC (índice de massa corporal). O IMC é calculado da seguinte forma: peso do paciente (em Kg) dividido pela altura (em metros) elevada ao quadrado. O valor obtido estabelece o diagnóstico da obesidade e caracteriza os riscos associados. De acordo com essa informação podemos estabelecer a tabela abaixo:


IMC ( kg/m2)   Grau de Risco     Tipo de obesidade
18 a 24,9       Peso saudável    Ausente
25 a 29,9       Moderado         Sobrepeso ( Pré-Obesidade )
30 a 34,9       Alto            Obesidade Grau I
35 a 39,9       Muito Alto       Obesidade Grau II
40 ou mais      Extremo          Obesidade Grau III ("Mórbida")

   A obesidade apresenta ainda algumas características que são importantes para a repercussão de seus riscos, dependendo do segmento corporal no qual há predominância da deposição gordurosa, sendo classificada em:
•Obesidade Difusa ou Generalizada.
•Obesidade Andróide ou Troncular (ou Centrípeta): o paciente apresenta uma forma corporal semelhante à maçã. Está associada com maior deposição de gordura visceral e se relaciona intensamente com alto risco de doenças metabólicas e cardiovasculares.
•Obesidade Ginecóide: a deposição de gordura predomina ao nível do quadril, fazendo com que o paciente apresente uma forma corporal semelhante a uma pêra. Está associada a um risco maior de artrose e varizes.
   Essa classificação, por definir riscos, é muito importante e por esse motivo fez com que se criasse um índice denominado "Relação Cintura-Quadril", que é obtido pela divisão da medida da circunferência da cintura abdominal pela medida da circunferência do quadril do paciente. De uma forma geral se aceita que existem riscos metabólicos quando a Relação Cintura-Quadril seja maior do que 0,9 no homem0,8 na mulher. A simples medida da circunferência abdominal também já é considerado um indicador do risco de complicações da obesidade, sendo definida de acordo com o sexo do paciente. Considera-se risco aumentado a medida da cintura em 94cm no homem e 80cm na mulher,e risco muito aumentado, quando a medida se encontra em 102cm no homem e 88cm na mulher.
   A gordura corporal pode ser estimada também a partir da medida de pregas cutâneas, principalmente ao nível do cotovelo, ou a partir de equipamentos como a Bioimpedância, a Tomografia Computadorizada, o Ultrassom e a Ressonância Magnética. Essas técnicas são úteis apenas em alguns casos, nos quais se pretende determinar com mais detalhe a constituição corporal.
Na criança e no adolescente, os critérios diagnósticos dependem da comparação do peso do paciente com curvas padronizadas, em que estão expressos os valores normais de peso e altura para a idade exata do paciente.
   De acordo com suas causas, a obesidade, pode ser classificada da seguinte maneira:
•Obesidade por Distúrbio Nutricional: dietas ricas em gorduras, dietas de lancherias.
•Obesidade por Inatividade Física: sedentarismo, incapacidade obrigatória, idade avançada.
•Obesidade Secundária a Alterações Endócrinas: síndromes hipotalâmicas, síndrome de Cushing, hipotireoidismo, ovários poliscísticos, pseudohipaparatireoidismo, hipogonadismo, déficitde hormônio de crescimento, aumento de insulina e tumores pancreáticosprodutores de insulina.
•Obesidades Secundárias: sedentarismo, drogas (psicotrópicos, corticóides, antidepressivos tricíclicos, lítio, fenotiazinas, ciproheptadina, medroxiprogesterona), cirurgia hipotalâmica.
•Obesidades de Causa Genética: autossômica recessiva, ligada ao cromossomo X, cromossômicas (Prader-Willi), síndrome de Lawrence-Moon-Biedl.
   Tratamento:
•Reeducação alimentar: o médico nutricionista será encarregado de dar ao paciente uma dieta possuindo valores calóricos necessários ao paciente, permitindo assim o controle da ingestão de calorias.
•Exercício: considera-se exercício uma atividade física planejada e estruturada com o propósito de melhorar ou manter o condicionamento físico. O exercício apresenta uma série de benefícios para o paciente obeso, melhorando o rendimento do tratamento com dieta. Entre os diversos efeitos se incluem: diminuição do apetite, aumento da ação da insulina, melhora do perfil de gorduras e a melhora da sensação de bem estar e auto estima.
•Drogas: A utilização de medicamentos como auxiliares no tratamento do paciente obeso deve ser realizada com cuidado, não sendo em geral o aspecto mais importante das medidas empregadas. É importante que essas drogas sejam receitadas pelo seu médico, pois existem tipos diferentes de medicações para tipos diferentes de pacientes e obesidades.
   Prevenção:
   Uma dieta saudável deve ser sempre incentivada já na infância, evitando-se que crianças apresentem peso acima do normal. A dieta deve estar incluída em princípios gerais de vida saudável, na qual se incluem a atividade física, o lazer, os relacionamentos afetivos adequados e uma estrutura familiar organizada.
   No paciente que apresentava obesidade e obteve sucesso na perda de peso, o tratamento de manutenção deve incluir a permanência da atividade física e de uma alimentação saudável a longo prazo. É importante que o paciente esteja completamente comprometido com a mudança e que tenha acompanhamento médico regular.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Costumes Estranhos de Alguns Países:

   Tailândia:
•é falta de respeito conversar com as mãos nos bolsos.
•sair de casa sem roupa íntima por baixo da roupa é proibido.
•numa conversa informal tailandeses podem fazer perguntas muito pessoais, consideradas invasivas para nós, mas é apenas uma forma de demonstrar interesse e de se conhecer melhor.
   México:
•colocar as mãos nos quadris e olhar diretamente nos olhos é sinal de início de discussão.
   Coréia do Sul:
•assoar o nariz na rua é falta de educação e ofensa gravíssima.
•conversar com as mãos nos bolsos ou para trás é um ato grosseiro.
   Países Árabes:
•é comum homens beijarem-se nas bochechas e andarem de mãos dadas, como sinal de amizade e respeito.
•a mão esquerda é considerada impura, pois é destinada a higiene pessoal.
•apontar com o indicador para as coisas é extrema falta de educação. Para se referir a algo, usa-se a mão inteira.
   Rússia:
•homens se beijarem na boca é sinal de gratidão.
   Oriente Médio:
•é falta um ato ofensivo mostrar a sola dos sapatos, pois é a parte mais baixa do corpo, portanto a mais suja.
•é proibido pelo Corão mulheres conduzirem automóveis.
•antes de uma reunião de negócios, é comum o ato de se compartilhar uma xícara de café ou chá de menta.
   Turquia:
•fazer sinal positivo, com o polegar para cima significa convite para encontro homossexual.
   Cingapura:
•andar sem roupa dentro de casa é um ato pornográfico.
   Líbano:
•é crime coito com animal de sexo masculino, mas de sexo feminino não.
   Malásia:
• na cidade de Kelatan, uma lei determina que as luzes dos cinemas devem permanecer acesas durante a exibição do filme para evitar atos imorais no escuro.
   Arábia Saudita:
•arrotar após as refeições é sinal de boa educação e de satisfação pela comida.
   Itália:
•palitar os dentes após as refeições significa que gostou da comida.
   Egito:
•deixar sempre um pouco de comida no prato, mesmo que ainda esteja com fome, simboliza abundância, fartura e elogio ao anfitrião.
   Bélgica:
•come-se com o garfo na mão esquerda, mesmo quem não é canhoto.
   Paquistão:
•homens e mulheres comem separadamente.
   Indonésia:
•casais não devem se beijar em público.
   Tibete:
•mostrar a língua, em algumas tribos, é um ato de cumprimento.
   Zâmbia:
•no jantar, o convidado deve pedir a comida, pois é indelicado que o anfitrião ofereça primeiro.
•é impróprio recusar comida.
   Peru:
•levantar a sobrancelha significa "dinheiro" ou "pague-me".
   África do sul:
•fazer sexo durante uma tempestade, depois de um pesadelo ou depois que o marido tenha matado uma cobra grande, um crocodilo ou uma hiena.
   Austrália:
•os homens da tribo Waibirir, da austrália Central, costumam cumprimentar os visitantes segurando seu pênis, como se fosse um aperto de mão.
   Europa:
•dividir a mesa com estranhos é um hábito comum.
   França:
•palitar os dentes é um ato de extrema grosseria.
   China:
•atos de assoar o nariz ou cuspir na rua são sinais de higiene, pois significa que está tirando algo sujo dentro do corpo.
•deixar de beber todo o conteúdo de um cálice num brinde é sinal de grave ofensa.
   Índia:
•encarar as pessoas na rua é um ato de humilhação.
   Outros:
•Tapinha nas costas durante um cumprimento é falta de educação no Japão, EUA e Europa.
•O "O.K." utilizado pelos americanos significa "dinheiro" para os japoneses, "zero" no sul da França, e é considerado um gesto ofensivo na Grécia.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O Que é TOC ?


   TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) é um transtorno de ansiedade caracterizados por pensamentos obsessivos e compulsivos, na qual o indivíduos tem comportamentos considerados estranhos para a sociedade ou para a própria pessoa.
   Obsessões são pensamentos recorrentes insistentes que se caracterizam por serem desagradáveis, repulsivos e contrários à índole do indivíduo. Os pensamentos obsessivos não são controláveis pelos próprios pacientes. Ter apenas um pensamento recorrente pode ser algo desagradável como um problema não resolvido ou uma música irritante, mas ter obsessões é patológico porque causa significativa perda de tempo, queda no rendimento pessoal e sofrimento pessoal. Como o paciente perde o controle sobre os pensamentos, muitas vezes passa a praticar atos que, por serem repetitivos, tornam-se rituais. Muitas vezes tem a finalidade de prevenir ou aliviar a tensão causada pelos pensamentos obsessivos. Esses rituais são chamados de comportamentos compulsivos. Os pacientes nunca perdem o juízo a respeito do que está acontecendo consigo próprios e percebem o absurdo ou exagero do que está se passando; mas como não sabem o que está acontecendo, temem estar enlouquecendo, e, pelo menos no começo, tentam esconder seus pensamentos e rituais. No transtorno obsessivo-compulsivo os dois tipos de sintomas quase sempre estão juntos, mas pode haver a predominância de um pelo outro. Um paciente pode ser mais obsessivo que compulsivo ou mais compulsivo do que obsessivo.
   As obsessões mais comuns envolvem:
•Preocupação em ferir os outros ou a si mesmo, em insultar e em ter impulsos de agredir.
•Colecionar, guardar objetos inúteis.
•Escrupulosidade, blasfêmias, pecado (certo/errado).
•Preocupação com exatidão, alinhamento.
•Preocupação excessiva com doenças.
•Sons, palavras, números.
•Medo de contaminar-se com germes, doenças, sujeiras, etc.
•Imaginar-se perdendo o controle, realizando violentas agressões ou até assassinatos.
•Pensamentos sexuais urgentes e intrusivos, pensamentos obsessivos.
•Dúvidas morais e religiosas.
   As compulsões mais comuns envolvem:
•Lavar-se para se descontaminar.
•Repetir determinados gestos.
•Verificar se as coisas estão como deveriam (porta fechada, gás desligado, etc.).
•Repetições (sair/entrar; palavras, números, páginas, parágrafos, leitura, escrita, gestos.).
•Contagens de objetos.
•Ordem/arranjos/sequências, simetria ou alinhamento.
•Acumular/colecionar (empilhar jornais velhos, colecionar objetos inúteis).
•Rituais mentais, fazer listas, tocar, bater de leve, ou tocar em objetos, olhar, Ordenar ou arrumar os objetos de uma determinada maneira.
   Causas:
•Genéticas: Os indivíduos já nascem com maior ou menor propensão a desenvolver o problema.
•Influências ambientais: como infecções por bactérias (estreptococos) e vírus, traumatismo craniano podem desencadear os sintomas.
•Outros fatores que podem influenciar no desenvolvimento do problema estão relacionados com o aprendizado e o estresse.
   Diagnóstico:
   Os sintomas obsessivos e compulsivos são exclusivos do transtorno obsessivo-compulsivo, para fazer o diagnóstico. Contudo além dos sintomas são necessários outros critérios. O tempo gasto com os sintomas deve ser de no mínimo uma hora por dia ou quando o tempo for inferior a isso é necessária a existência de marcante aborrecimento ou algum prejuízo pessoal. É preciso que em algum momento o paciente reconheça que o que está acontecendo seja excessivo, exagerado, injustificável ou anormal. Isso faz com que o paciente ache que está enlouquecendo e tente esconder o que se passa, fica assustado e quando chega ao médico apresenta essa preocupação. Ao contrário do que se pode pensar a impressão que o paciente tem a respeito de si mesmo é um sinal de bom funcionamento mental, pois o paciente consegue reconhecer algo de errado em si mesmo. Os sintomas não podem ser dependentes de outro transtorno, por exemplo se a preocupação tem como foco a possibilidade de ter novos ataques de pânico não se pode fazer o diagnóstico de transtorno obsessivo-compulsivo.
   Tratamento:
   As pessoas que tem TOC geralmente gostam de falar de doenças e se preocupar com elas, mas não de tomar remédio. Elas se classificam como "hipocondríacos que detestam remédios". Porém se não for tratado, o TOC pode cronificar e se tornar incapacitante. O tratamento mais eficaz consiste em:
•Medicação. Não interrompa o tratamento por não sentir melhora nas primeiras semanas. TOC é teimoso, você tem que ser mais teimoso ainda.
•Psicoterapia Cognitivo Comportamental, que é bem diferente da Psicoterapia Analítica.
•Força de vontade para resistir ao impulso obsessivo.
   A família pode ajudar:
•Insistir no tratamento.
•Lembrar ao paciente a necessidade dele resistir às "manias".
•Não levar a sério os medos, dúvidas e perguntas do paciente. Por exemplo, o paciente quer voltar para casa para conferir se fechou uma porta. Não concorde.
•Não entre em discussões por exemplo sobre vírus e bactérias e contaminações, pois elas seriam infinitas.
   Observações:
•Algumas vezes o primeiro remédio não produz resultado e tem que ser trocado
• Mesmo que você já esteja se sentindo bem, não interrompa a medicação. Seu médico deve decidir quando diminuir, interromper ou trocar de medicação. Se o medicamento tiver efeitos colaterais, ele poderá ser trocado por outro que não traga desconforto. O tratamento do TOC é longo. A recaída em caso de interrupção prematura do tratamento é quase certa.
•Se os sintomas do TOC voltarem, não quer dizer dependência da medicação, mas sim que ainda não era hora de suspender o tratamento. Os remédios que tratam Transtorno Obsessivo Compulsivo não criam dependência. O TOC é que exige tempo de tratamento longo. O importante é que a qualidade de vida da pessoa melhore.
   TOC e Superstições: 
   Muitos hábitos, como bater três vezes na madeira, não passar embaixo de escadas, evitar os gatos pretos, não pronunciar a palavra azar podem se assemelhar com os sintomas do TOC.
   Na realidade, rituais como esses refletem apenas costumes e tradições antigas aceitos pelo grupo social do indivíduo e não causam prejuízos funcionais, não podendo ser considerados como uma doença e consequentemente não necessitam de tratamento.
   Desde que a sua frequência não seja excessiva ou cause sofrimento para o indivíduo, tais rituais não justificam nenhuma intervenção especial.

Novo Tratamento Para Enxaqueca Crônica!


   Para pessoas que sofrem de enxaqueca crônica (apresenta mais de 15 dias de dor de cabeça por mês, com cada crise com duração média de quatro horas), um novo tratamento é o botox, o mesmo produto usado para esconder rugas e marcas de expressão.
   O efeito do botox na enxaqueca ocorre por um relaxamento muscular e por um desligamento do efeito do nervo em cima do músculo. O efeito da toxina é temporário, e, por isso, o tratamento precisa ser repetido, com periodicidade de três a seis meses. O efeito também não é imediato, as crises vão perdendo a intensidade, geralmente em torno de 15 dias após as injeções.
   A substância é injetada em até 39 pontos da cabeça e do pescoço do paciente.
   Lembrando que enxaqueca não tem cura, mas esse novo tratamento promete melhoras aos pacientes.
   Utiliza-se em geral, no tratamento da enxaqueca, um frasco inteiro do botox, podendo ser até mais do que um frasco, dependendo da necessidade, ao contrário das aplicações estéticas que utilizam um terço do frasco ou meio frasco.
   O neurologista é que deve fazer a aplicação. O tratamento é contra indicado para pessoas com doenças na junção muscular, gestantes e pessoas com infecções.
   Não há relatos de efeitos colaterais graves.

O Que é Hipoglicemia?


   Hipoglicemia significa baixa glicose no sangue. Isso pode causar uma série de sintomas desagradáveis e no caso de Hipoglicemia Grave, pode causar inconsciência, coma ou até a morte. Existe também uma séria preocupação em relação a Hipoglicemia Grave causar danos neurológicos em crianças e distúrbios no sistema nervoso central em adultos.
   A Hipoglicemia pode acontecer em pessoas diabéticas ou não.
   Causas mais comuns:
•Uso errado de insulina.
•Atraso no horário das refeições.
•Falta de monitoração glicêmica, especialmente durante atividades físicas.
•Vômitos e diarréias.
•Consumo de bebidas alcoólicas, etc.
   Sintomas gerais:
•Tontura.
•Tremores.
•Suores frios.
•Fome.
•Sonolência.
•Frio.
•Agressividade ou lentidão.
•Confusão mental.
•Irritabilidade.
•Dificuldade de raciocínio.
•Palpitação.
•Ansiedade.
•Visão embaçada.
•Fraqueza.
•Euforia.
•Dor de cabeça.
•Respiração acelerada.
•Náuseas.
•Nervoso.
•Cansaço.
•Suor.
   Como evitar crises:
•Manter a rotina de monitorar a glicemia. Inclusive antes, durante e após a prática de exercícios físicos.
•Carregar consigo uma fonte de carboidratos de fácil absorção, como balas de glicose ou sachês de mel, para o caso do início de uma crise.
•Fazer as refeições nos horários corretos.
   Administrando uma crise de hipoglicemia:
•Com o paciente acordado: Deve-se fazer uma reposição de carboidratos através da ingestão de alimentos de rápida absorção. Podem bastar 5 ou 6 balas, alguns sachês de mel, 150ml de suco de laranja, um copo de refrigerante não dietético. Alimentos gordurosos como chocolates demoram mais para elevar o nível de glicemia. A taxa glicêmica deve ser medida novamente após 10 minutos. Se continuar baixa, o paciente deve ingerir novamente os alimentos.
•Com o paciente desacordado: Realiza-se a aplicação de hormônio glucagon (hormônio produzido nas células alfa das ilhotas de Langerhans do pâncreas e também nas células espalhadas pelo trato gastrointestinal) via subcutânea, conforme orientação médica. Recomenda-se levar o paciente ao pronto-socorro, para aplicação de glicose endovenosa.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

O Que é o Câncer?

Células de Câncer Cerebral

   Se trata de um crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo.
   Dividindo-se rapidamente, essas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores ( acúmulos de células cancerosas ) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.
   Os diferentes tipos de câncer correspondem aos vários tipos de células do corpo. Por exemplo, existem diversos tipos de câncer de pele, pois a pele é formada por mais de um tipo de célula. Se o câncer tem início em tecidos epiteliais, como pele ou mucosas, ele é denominado carcinoma. Se começa em tecidos conjuntivos como osso, músculos ou cartilagem, é chamado de sarcoma.
   Outras características que diferenciam os diversos tipos de câncer entre si são a velocidade de multiplicação das células e a capacidade de invadir tecidos e órgãos vizinhos ou distantes.
   Causas do câncer:
   Suas causas são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando ambas inter-relacionadas. As causas externas estão relacionadas ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são na maioria das vezes, geneticamente pré determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas.
   O envelhecimento traz mudanças nas células, que aumentam a sua suscetibilidade à transformação maligna. Isso, somado ao fato de as células das pessoas idosas terem sido expostas por mais tempo aos diferentes fatores de risco para câncer, explica, em parte, porque o câncer é mais frequente nesses indivíduos.
   Fatores de riscos ambientais:
   Os fatores de risco ambientais de câncer são denominados cancerígenos ou carcinógenos. Esses fatores atuam alterando a estrutura genética (DNA) das células.
   Entende-se por ambiente o meio em geral (água, terra e ar), o ambiente ocupacional (indústrias químicas e afins), o ambiente de consumo (alimentos, medicamentos), o ambiente social e cultural (estilo e hábitos de vida).
   Alguns desses fatores são:
•Tabagismo: câncer de esôfago, estômago, intestino, bexiga, rim, pulmão, laringe, pâncreas, entre outros.
•Maus hábitos alimentares: câncer de intestino, próstata, gástrico, entre outros.
•Alcoolismo: câncer de mama, fígado, esôfago, entre outros.
•Hábitos sexuais: câncer de próstata, cólo do útero, boca, fígado, língua, entre outros.
•Medicamentos: diversos medicamentos tem chances de causar tipos diferentes de câncer. O ideal é não se auto medicar, e tomar os remédios nas doses corretas. Qualquer dúvida em relação a qualquer remédio deve ser esclarecida com o médico. Além de câncer, a auto medicação pode trazer outros problemas graves ou agravar problemas já existentes.
•Fatores Ocupacionais: Fumaça de indústrias, poluição, entre outros causam diversos tipos de câncer, principalmente o câncer de pulmão.
•Radiação solar: câncer de pele.
   Hereditariedade:
   São raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários, familiares e étnicos, apesar de o fator genético exercer um importante papel na oncogênese.
   Alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino parecem ter um forte componente familiar, embora não se possa afastar a hipótese de exposição dos membros da família a uma causa comum. Determinados grupos étnicos parecem estar protegidos de certos tipos de câncer: a leucemia linfocítica é rara em orientais, e o sarcoma de Ewing é muito raro em negros.

Curiosidades Sobre o Sol


   O Sol é a estrela mais próxima da Terra (150 milhões de Km de distância) e o centro do Sistema Planetário Solar, onde gravitam os corpos celestes, como os planetas, planetas anões, asteróides e cometas.
   Demora-se 8 minutos para a luz do Sol chegar até a Terra.
   O sol possui uma massa 332 900  vezes maior que a da Terra, e um volume 1 300 000 vezes maior que o do nosso planeta. Para se ter uma ideia, dentro do Sol, caberiam 1milhão de planetas Terra.
   O Sol é composto primariamente de hidrogênio (74% de sua massa, ou 92% de seu volume) e hélio (24% da massa solar, 7% do volume solar), com traços de outros elementos, incluindo ferro, níquel, oxigênio, silício, enxofre, magnésio, néon, cálcio  e crômio.
   O Sol, tal como outras estrelas, é uma esfera de plasma que se encontra em equilíbrio hidrostático entre as duas forças  principais que agem em seu interior. Em sentido oposto ao núcleo solar, estas forças são as exercidas pela pressão termodinâmica, produzida pelas altas temperaturas  internas. No sentido do núcleo solar, atua a força gravitacional. O Sol é uma estrela da sequência principal que contém cerca de 99,86% da massa do Sistema Solar.
   As reações que ocorrem no núcleo do Sol são enviadas em forma de luz, calor e radiação. Ele é a fonte de calor e luz de todo o sistema Solar e sua luz demora 8,3 minutos para chegar à Terra.
   O Sol é uma estrela magneticamente ativa, suportando um forte campo magnético, cujas condições mudam constantemente, variando de ano para ano e revertendo-se em direção aproximadamente a cada 11 anos, em torno do máximo solar.
   O campo magnético do Sol gera vários efeitos que são chamados coletivamente de atividade solar. Estes incluem as manchas solares na superfície do Sol, as erupções solares e as variações no vento solar.
   Efeitos da atividade solar na Terra incluem auroras de médias a altas latitudes, a ruptura de comunicação de rádio e potência elétrica. Acredita-se que a atividade solar tenha tido um importante papel na formação e evolução do Sistema Solar. A atividade solar constantemente muda a estrutura da ionosfera  terrestre.
   O Sol tem papel fundamental na vida do nosso planeta, pois sem ele, a Terra seria uma bola de gelo.


 

O Que é a Febre?


   Febre é a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. é também um mecanismo de defesa e um sinal de alerta em nosso organismo.
   O corpo humano apresenta uma temperatura normal entre 36ºC e 37,5ºC. Ela sofre alterações ao longo do dia, estando mais próxima de 36ºC durante a madrugada e mais para 37,5ºC no final da tarde. É o ciclo circadiano da temperatura corporal.
   Os aumentos da temperatura corporal também podem ocorrer em situações que não indicam doença, como por exemplo, exercícios físicos, ambientes muito quentes ou muito frios, excesso de roupa, alterações no ciclo hormonal feminino, entre outras.
   Por que o corpo eleva sua temperatura?
   As bactérias e vírus gostam de viver em temperaturas a volta dos 36-37ºC. É o ponto onde eles são mais ativos. O aumento da temperatura corporal tem como objetivo atrapalhar as funções básicas dos invasores e também estimular a função das nossas células de defesa que passam a funcionar melhor nessas temperaturas.
   A febre é também um sinal de alerta que indica que algo de errado está acontecendo. Com a idade, perdemos progressivamente a capacidade de gerar calor, e muitos idosos apresentam infecções graves sem febre. A ausência de febre e seus sintomas fazem com que o doente demore mais tempo para procurar auxílio médico, o que favorece o desenvolvimento da sepse ( infecção geral grave do organismo por germes patogênicos ).
   Chamamos de febrícula ou estado sub-febril, os aumentos de temperatura entre 37,2ºC e 37,8ºC, que muitas vezes não apresentam significado clínico ou não representam doenças infecciosas.
   Antes de um ano de idade, a temperatura normal é maior do que a do adulto. A partir de um ano de idade, a temperatura tende a alcançar níveis semelhantes a dos adultos. A diferença já é notável após o sexto mês de idade (0,5ºC), acentua-se a partir do 2º ano, alcançando a diferença máxima após o 6º ano de idade (0,9ºC - 1,1ºC).
   Não existe febre interna. O nosso organismo é um só. A febre é o aumento da temperatura de todo o corpo, inclusive a pele. Se o termômetro não mostra febre, é porque não há febre. Não há como o corpo ter febre internamente e a pele não aquecer junto.
   Quando estamos diante do aumento da temperatura de uma parte específica do corpo, isso é chamado de inflamação localizada. Normalmente vem acompanhada de dor e vermelhidão local. Pode haver ou não febre associada. Por exemplo, uma artrite de joelho, devido a grande inflamação local, causa aumento da temperatura restrita ao joelho. Porém, se essa artrite tem origem infecciosa, pode haver também além da artrite, febre e elevação da temperatura em todo o organismo.
   Como funciona a febre:
   Dentro no nosso cérebro temos uma região chamada de hipotálamo, que é o nosso termostato. É lá que se decide se o corpo vai gerar calor ou perdê-lo, sempre visando a manutenção de uma temperatura corporal estável.
   Quando somos invadidos por micróbios como vírus e bactérias, nosso corpo ativa suas células de defesa para combater essa infecção. Durante a batalha entre os glóbulos brancos e os invasores, os primeiros produzem substâncias que levam a produção das prostaglandinas, mediadores inflamatórios que ajudam no combate às infecções.
   As prostaglandinas são as substâncias responsáveis pela presença de inflamação e dor, e quando alcançam o hipotálamo, fazem com que este aumente a temperatura corporal. O hipotálamo passa a induzir o nosso organismo a produzir calor. Em vez de 36,5ºC, o corpo agora passa a considerar sua temperatura correta em algum ponto acima dos 38ºC.
   A temperatura de 36,5ºC só é restabelecida quando há diminuição do estímulo das prostaglandinas. É por isso que os anti-inflamatórios e antitérmicos, drogas que inibem as prostaglandinas, atuam sobre a febre.
   Medindo a temperatura:
•Temperatura Axilar: normal até 37,2ºC.
•Temperatura Bucal (boca) ou Timpânica (ouvido): normal até 37,5ºC.
•Temperatura Retal (ânus): normal até 38°C.
   Principais causas da febre:
•Infecção;
•Câncer;
•Reação Alérgica;
•Doenças Auto-Imunes;
•Exposição Excessiva ao Sol;
•Lesão do Hipotálamo;
•Uso de Algumas Drogas;
•Distúrbios Hormonais;
•Exercício excessivo, especialmente em temperaturas elevadas;
•Gripe;
•Vários medicamentos, como antibióticos e anti-inflamatórios.
   Por que  devemos baixar a febre?
   A febre causa muitos sintomas desagradáveis como dores no corpo, dor de cabeça, perda de apetite, astenia etc. Se o paciente já está sendo medicado, ou se a febre é causada por algo não infeccioso, como câncer, doença auto-imune ou exposição exagerada ao sol, ela tem pouca função e sua eliminação melhora muito o bem-estar do paciente.
   Febres acima de 40ºC. podem causar delírios, e em crianças, desencadear convulsões. A febre em pessoas debilitadas, como em casos de anemia, insuficiência cardíaca ou pessoas muito idosas, pode causar descompensação de suas doenças coexistentes.